NORDESTE AO VIVO: dicas

Entrada da feira

foto1

Figura 1 – Feira de São Cristovão          Fonte: http://www.feiradesaocristovao.org.br/

 

No domingo da Páscoa, estive almoçando com a minha família, na feira de São Cristovão no Rio de Janeiro e não podia deixar de falar no blog sobre este lugar, rico em história, música, gastronomia e ambientes com decoração típica nordestina carregado de cor, textura e inspiração, proporcionando uma viagem ao Nordeste.

Pavilhão em 1979

foto2
Figura 2 – Pavilhão Antes   Fonte: http://www.feiradesaocristovao.org.br/

 

Imagem panorâmica da Feira de São Cristovão

foto2
Figura 3 – Feira de São Cristovão  Fonte: http://www.feiradesaocristovao.org.br/

 

 

Vista noturna da entrada da feira

foto3
Figura 4 – Feira de São Cristovão   Fonte: http://www.feiradesaocristovao.org.br/

 

História
  Data de 1945 o início dos primeiros movimentos que deram origem à Feira de São Cristóvão, ou Feira dos Nordestinos, como é conhecida no Estado do Rio. Nesta época, retirantes nordestinos chegaram ao Campo de São Cristóvão em caminhões, vindos para trabalhar na construção civil. A animada festa regada a muita música e comida típica, gerada pelo encontro dos recém-chegados com parentes e conterrâneos, deu origem à Feira, que  permaneceu ao redor do Campo de São Cristóvão por 58 anos.
  Em 2003 o antigo pavilhão foi reformado pela Prefeitura do Rio e transformado no Centro Municipal Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas. Hoje, não só nordestinos frequentam a Feira para matar saudades e resgatar um pouco de sua cultura, como também cariocas e turistas de todo o país.  

History

  1945 dates the beginning of the first movement that gave rise to the Feira de São Cristóvão, or Fair of the Northeast, as it is known in the State. At this time, northeasterners retreatants arrived at São Cristóvão in trucks, from the Northeast to work in civil construction. The lively party with a lot of music and typical food, generated by the meeting of new newcomers with relatives and countrymen, gave rise to the fair, which remained around the field for 58 years.
In 2003 the old Pavilion was renovated by the city of Rio and transformed in the Center Municipal Luiz Gonzaga of Northeastern Traditions. Today, not only the Northeast attend the Fair to rescue a littje of their culture, as well as cariocas and tourists from all over the country.

Funcionamento da Feira :

  • Terça a quinta, de 10h às 18h (entrada franca, exceto feriados); Sexta de 10h a 21h do domingo (fecha somente no domingo).
    •. Visite a mostra Luiz Gonzaga do Brasil – 100 Anos de Tradições Nordestinas! – Dentro do Feira/Espaço Memória/entrada Padre Cícero/ Sexta-feira

Campo de São Cristóvão S/N – Pavilhão de São Cristóvão – Bairro de São Cristóvão – Rio de Janeiro/RJ

Cep: 20.291-440

Tel: (21) 2580-6946 I (21) 2580-5335 

 

Lojas de artesanatos

foto5
Figura 5 – Feira de São Cristovão    Fonte: http://www.feiradesaocristovao.org.br/

 

foto6

Figura 6 – Feira de São Cristovão    Fonte: http://www.feiradesaocristovao.org.br/

 

foto7

Figura 7 – Feira de São Cristovão    Fonte: http://www.feiradesaocristovao.org.br/

 

Comidas e bebidas típicas

bebidas
Figura 8 – Feira de São Cristovão Fonte: http://www.feiradesaocristovao.org.br/

 

Palco Jackson do Pandeiro

palco jackson do pandeiro-feira de sao cristovao
Figura 9 – Palco 1 Fonte: http://www.feiradesaocristovao.org.br/

Palco João do Vale

foto10
Figura 10 – Palco 2     Fonte: http://www.feiradesaocristovao.org.br/

 

Corredor interno coberto

foto12

Figura 11 -corredor   Fonte: http://www.feiradesaocristovao.org.br/

 

Literatura de Cordel

foto14
Figura 12 -cordel        Fonte: http://www.feiradesaocristovao.org.br/

 

 

 

foto15
Fonte: http://barracadachiquita.com.br/site_wp/

Almoçamos no restaurante da Chiquita, é muito agradável fazendo com que os clientes se sintam em casa. Os mobiliários de madeira de sucupira, são rústicos e sustentáveis, com designer perfeito compondo a decoração do ambiente típico do Nordeste. Os totens marcam os espaços com alegria e bom humor. As jardineiras de ferro setorizam os ambientes. E a chita tecido estampado de algodão original da Índia, está presente na decoração na mais variada forma.

 

 

chiquitq
Em 1979, Francisca Alda, a Chiquita, abriu a sua barraca ao redor do pavilhão e debaixo de árvores, onde permaneceu por 24 anos. Após a inauguração do Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas, em 2003, o restaurante passou a ocupar a parte interna do pavilhão, com localização privilegiada, em frente ao palco Jackson do Pandeiro.

Ambientes do restaurante

foto00

foto002

foto003

foto004

foto005

Eu e minha família

cleide

 

 

Já que estamos falando do tecido chita, segue dicas de como aproveitá-las em ambientes descontraídos e  casuais.

3 Ambientes informais

foto23

 

amb01
Detalhe da chita no teto do ambiente.

 

amb02
A chita aqui predomina no futton.

 

Nesta cozinha o destaque é a parede de taipa (barro e varas) muito usadas nas casas do sertão nordestino brasileiro e o forro por um trabalho em sisal.

amb03

 

 

Espero que tenham gostado das dicas.

Até o próximo post.

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *